Je

17 avril 2015

Emoldurado

Hoje vai um retrato meu digno de ser emoldurado!
Disse.

Vencer

14 avril 2015

Tal filha tal pai #tricot #knitting
Matilde

Consegui. E garanto, não é um bicho de sete cabeças.
Consegui tricotar a primeira camisola com agulhas circulares, sem costuras e como me iniciava no raglan, segui à letra as explicações dadas aqui na minha língua materna.
O resultado foi mais do que satisfatório de tal forma que prometi que cada membro da família teria a sua camisola.
A segunda já vai a meio, numa outra lã, claro.
A clareza da execução do modelo permitiu-me estar completamente à vontade para fazer algumas alterações, obtendo desta vez por fazer entre outros, aumentos não ajourados, torcendo o fio.
Consegui!

Sentir a Primavera

20 mars 2015

A bolsa
A bolsa
A bolsa

A bolsa foi realizada a partir dum antigo colchão de lã. Aliada a tecidos contemporâneos, vai receber a leitura do momento. É a sugestão para a viagem que vamos efectuar.
O leme para as próximas semanas é descansar. O Inverno foi longo, queremos agora sentir a Primavera.
Até já!

Parceria

18 mars 2015

A espiga
Parceria

A primeira pregadeira da M. feita em prata é digna de ser fotografada, até porque trata-se duma prenda e é importante para ela fazer o registo das peças que vai desenvolvendo.
A espiga renasce depois do longo Inverno, elemento fundamental e tradicional do outrora Alentejo profundo.
A bolsa é o embrulho possível, uma parceria entre mãe e filha!

Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Das mãos dos mestres para as mãos da aprendiza
Costuma-se dizer que não acontecem muitas actividades em Mértola. Por esta razão, quando as há ninguém falha, desde que haja interesse. Mesmo assim seria preciso motivar mais as pessoas.
Vindos directamente de Odeleite, os Mestres José Francisco e João Rodrigues ensinaram a arte da cestaria com canas.
Das mãos da J. nasceu uma canastra.

Fatias de pão

4 mars 2015

"Pinga-amor"
Fatias de pão
Fatias de pão
Fatias de pão

No restaurante da minha aldeia come-se debaixo da azinheira, voam pássaros e borboletas e uma cegonha faz o ninho.
O restaurante da minha aldeia serve fatias de pão dentro de pequenos taleigos mas volta e meia desaparecem!
Fiz 6.
Os dois primeiros, a pensar na noite dos namorados. Os outros, por incrível que parece, foram inspirados pela clientela que ali passa.
Na minha aldeia, só há um restaurante, o Al Andaluz. Não há que enganar!

Fatias de pão

Do fim-de-semana

2 mars 2015

Ouvrir a música depois do excelente concerto
Toi et moi
Almoço no alpendre. Que venha a Primavera!

Todos os fins-de-semana o são, mas este em particular, foi partilhado no primeiro dia com a M. em Lisboa.
Programou idas aos alfarrabistas e as exposições. Limitei-me a guia-la e a acompanhar pela cidade. Calhou passarmos pelos Tibetanos (tenho a tendência por me esquecer continuamente de que a minha filha é uma vegetariana atípica!). A noite, fui levada a conhecer a música que ela gosta.
A cassette foi a compra inesperada mas perfeita para a viagem de regresso, num carro cujo a radiofonia parou no tempo.
Ontem domingo, e o primeiro almoço do ano no alpendre fez-me acreditar que a Primavera está para chegar!

Suivre

Recevez les nouvelles publications par mail.

Rejoignez 1 110 autres abonnés